tse4allm logo

UNIDOGoverno de Moçambiquegef

AGUA

A Quinta Irini, uma iniciativa agrícola e agro-processadora localizada em Mafuiane dedica-se a várias actividades agrícolas, incluindo a agricultura agro-processadora, piscicultura, apicultura fúngica (produção de cogumelos) e a criação de animais.A iniciativa dos pequenos agricultores, tal como outras explorações agrícolas na região da grande Maputo, sofre crises de escassez de água especialmente na estação seca, levando à perda de muitas culturas devido ao calor intenso, e à baix ou nenhuma produção. Para reduzir o desafio, no passado, a quinta recorria à utilização de uma bomba de água a diesel, cujo custo operacional era muito elevado e para além de ser prejudicial para a saúde humana e para outras actividades agrícolas, como a piscicultura, devido à emissão de gases nocivos para o ambiente.

 


A quinta pretende inverter a situação, promovendo a adopção de fontes alternativas de energia. O objectivo desta iniciativa é estabelecer medidas para a transição dos sistemas tradicionais que são prejudiciais ao ambiente para sistemas mais eficientes e melhorados, bem como induzir a adopção de outras opções energéticas.

 

Estas mudanças vão também assegurar a sustentabilidade da utilização dos recursos de biomassa, incluindo a utilização de resíduos para melhorar a qualidade dos solos produtivos. Com o apoio financeiro de Global Environment Facility (GEF), a UNIDO, em parceria com o Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural - Direcção Nacional para o Desenvolvimento Económico Local, pretende disponibilizar os seguintes sistemas integrados na Quinta Irini: sistema solar de abastecimento de água para irrigação e agro-processamento; secadores solares para conservação de frutas e vegetais; moagem de cereais com base em energia solar; biodigestão anaeróbica para a produção de biogás e fertilizantes.

 

O objectivo deste projecto-piloto é demonstrar como a adopção de sistemas integrados de energia renovável para usos produtivos pode contribuir para o aumento da sustentabilidade, produtividade e eficiência nos processos de produção e comercialização de produtos agrícolas na zona rural de Mafuiane.

 

O processo de instalação de bombas submersíveis foi iniciado em Agosto de 2022 para permitir irrigação das áreas de produção agrícola da Quinta Irini, bem como para o fornecimento de água potável à comunidade.


Pode ver o vídeo da instalação do sistema de água AQUI

MAKOMANE 1

O projecto TSE4ALLM implementado pela UNIDO com o apoio financeiro do projecto GEF procura, entre outros resultados, demonstrar a viabilidade técnica e comercial dos sistemas de energias renováveis no sector produtivo, incluindo a agricultura e a indústria agro-alimentar através de 4 componentes do projecto, nomeadamente: (i) estabelecimento de um ambiente político e regulamentar favorável; (ii) desenvolvimento de capacidades e gestão do conhecimento; (iii) demonstração e ampliação da tecnologia e (iv) monitorização e avaliação.

 

Em 2021, foi lançado um convite à apresentação de propostas para identificar projectos de investimento para o desenvolvimento de sistemas de energias renováveis para apoiar a melhoria da cadeia de valor agrícola, actividades produtivas comerciais, e produção de energia a partir de resíduos. O enfoque tecnológico é nas tecnologias solar e de biomassa. MAKOMANE-ADM, Moçambique foi um dos três projectos seleccionados ao lado de AFORAMO e CHARIS-Associacao de Solidariedade Social para produzir uma capacidade total instalada de 86,9 kW e um total de 96 metros cúbidos de biogás com um financiamento agregado de 243.095 USD.

 

Em Agosto de 2022, MAKOMANE-ADM, tornou-se o primeiro beneficiário do apoio financeiro e instalará uma capacidade total de 23,9kW de sistemas integrados de energia renovável, incluindo armazenamento Solar Frio (10kW) para apoiar as actividades de piscicultura e pecuária e para a conservação de frutas e vegetais; Biogás para a cozinha comunitária e processamento de alimentos (8,4kW); Sistema de irrigação solar com armazenamento elevado (5,5kW) em Quissico, distrito de Zavala, província de Inhambane.

 

MAKOMANE-ADM é um dos maiores e mais populares piscicultores da província de Inhambane que produz peixe de alta qualidade para consumo local e para fornecer a mercados maiores, incluindo a capital do país, Maputo. O sistema de armazenamento solar a frio de 10kW baseado em painéis solares permitirá a conservação do peixe, encorajando a expansão das actividades de piscicultura, e reduzindo os custos com a alimentação do peixe após atingir a idade adulta. O sistema beneficiará também os pescadores e agricultores locais das associações e cooperativas vizinhas de Quissico, permitindo-lhes ter mais poder de negociação face ao mercado

 

Além disso, 5,5kW de energia solar serão utilizados para ligar uma bomba eléctrica para fornecer água a reservatórios de 10.000 metros cúbicos de capacidade. A água será utilizada para irrigação nos campos de produção de legumes que são muito necessários nos mercados locais e regionais. Os resíduos que serão gerados a partir da actividade agrícola serão utilizados tanto para alimentar os peixes como para alimentar o sistema de biogás.

 

Em Quissico há uma grande abundância de criadores de animais gerando grandes quantidades de excrementos de animais que poluem o ambiente. Por outro lado, as comunidades locais estão fortemente dependentes dos combustíveis da madeira para cozinhar, o que contribui para a desflorestação acelerada nas zonas rurais. Os excrementos animais de gado e/ou aves serão utilizados para alimentar um 8. O sistema de biogás de 4kW e o gás serão utilizados para diversos fins.

 

Irrigacao energia solar 20140826 00338

A cerca de 90% da população rural moçambicana depende da agricultura para a sua subsistência. Os métodos utilizados para o cultivo são, na maioria dos casos, rudimentares e não produzem alimentos suficientes para a geração de rendimentos e consumo de subsistência.

A UNIDO através do projecto Towards Sustainable Energy for All in Mozambique (TSE4ALLM) trabalha para promover a disseminação de sistemas integrados de energias renováveis(RE) numa abordagem baseada no mercado para actividades produtivas nas zonas rurais de Moçambique.


SUPERKWICK LDA cultiva uma vasta gama de culturas incluindo macadâmia, caju, feijão, e vegetais numa quinta de 10 hectares no distrito da Macia, posto administrativo da Praia de Bilene, em Moçambique. A empresa recebeu financiamento através da linha de crédito BCI SUPER e instalou recentemente um sistema solar capaz de gerar 2,515W de energia para permitir o bombeamento de água para irrigação das suas culturas.


"Uma árvore de macadâmia consome 20 litros de água por dia. A instalação das bombas de água submersíveis movidas a energia solar permitem um abastecimento de água suficiente e fiável durante todo o ano" ---Aldo Bauque Gerente da SUPERKWICK.
Neste artigo a Sheila Macia, coordenadora de actividades de campo da SUPERKWICK explica como é utilizado o sistema de irrigação por aspersão alimentado por energia solar.

O que é o sistema de irrigação por aspersores?
A irrigação por aspersão é um método de aplicação de água de rega que é semelhante à precipitação natural. A água é distribuída através de um sistema de tubos, geralmente por bombagem. É depois pulverizada no ar através de aspersores de modo a quebrar-se em pequenas gotas de água que caem ao solo. Os aspersores são emissores de pequenas dimensões que distribuem a água sob a forma de chuva com uma taxa de eficiência de 90%. "Utilizamos o sistema de irrigação por microaspersão para irrigar as plantas de macadâmia e isto é determinado pelas necessidades hídricas de cada planta, que é de 20 litros por dia".
Uma vez que o sistema requer uma fonte de energia robusta e segura para permitir o bombeamento de água que é pulverizada para todo o campo, a energia solar foi considerada a fonte mais adequada e fiável para este fim. Um (1) hectare de pomar de macadâmia contém 300 árvores. O espaçamento utilizado é de 8X4m (8 metros entre plantas e 4 metros entre fileiras). Cada fila contém 12 árvores e 1-hectare contém 25 filas. O número de filas a regar varia de acordo com a pressão e a inclinação do terreno mas em média, pelo menos 6 filas são regadas em simultâneo.


Montagem do sistema de irrigação com microaspersores
A montagem do sistema é feita de acordo com a orientação do terreno, bem como da fonte de água. Para montar o sistema, tubos, emissores, aspersores, válvulas, e juntas de redução são os materiais necessários.
Vantagens do sistema de rega por aspersão.  Os Sistemas de Rega por Aspersão asseguram fiabilidade, distribuição uniforme de água com alta eficiência, alta qualidade, acessibilidade económica, facilidade de instalação e maior poupança de água. Os custos de mão-de-obra para instalação de sistemas de rega por aspersão são relativaemente baixos para além de que fertilizantes solúveis, herbicidas e fungicidas podem ser adicionados na água antes da sua distribuição às culturas.


Quais são os desafios do sistema de irrigação por aspersão?
Apesar das enormes vantagens, a utilização do sistema de irrigação por aspersão também comporta alguns desafios. O custo inicial da instalação do sistema é elevado, a água deve estar limpa e livre de areia, detritos e sais dissolvidos, e, não pode ser utilizada em clima ventoso. Além disso, as frutas e vegetais podem ser danificadas devido ao excesso de água, e requerem uma alimentação eléctrica robusta e contínua.

SWL 1

Em Julho de 2021 a Shine Water & Serviços, obteve um empréstimo de MZN850.000,00 (aproximadamente USD13.500,00) para a instalação de um sistema solar para o abastecimento de água potável a 100 clientes na comunidade da FAO/Nhumbane, distrito de Marracuene, província de Maputo. Isto foi feito através do fundo da linha de crédito do BCI implementado pela UNIDO, banco BCI, e FUNAE no âmbito do projecto Towards Sustainable Energy for all in Mozambique (TSE4ALLM) com financiamento do Global Environment Facility (GEF).


No passado, a empresa dependia apenas de um sistema de abastecimento de água alimentado pela rede nacional, o que frequentemente resultava em vários desafios, incluindo o fornecimento limitado de água causado por interrupções frequentes do fornecimento de electricidade, custos operacionais elevados, e falhas de equipamento causadas pela instabilidade da rede eléctrica.

"Costumávamos receber água apenas duas vezes por dia, mas isto mudou com a adopção de um sistema solar que não depende de electricidade, agora recebemos água 24 horas por dia", cliente feminina da SWS.

SWL Beneficiaries


O processo de instalação do sistema de abastecimento de água implicou, a colocação de uma bomba solar submersível que extrai água armazenada em depósitos de 10.000 litros em torres com uma elevação de 12 metros de altura, a qual é subquentemente distribuída aos consumidores.


Para além de fornecer água às famílias, o sistema de abastecimento de água solar Sheine Water expandiu o seu alcance para cobrir centros de saúde, escolas, locais de colocação de tijolos para construção, e jardins de horticultura de subsistência. De acordo com os membros da comunidade, a maioria dos residentes da localidade da FAO/Nhumbane (90% mulheres) depende do rendimento gerado pela venda de legumes e frutas produzidos a partir das suas hortas de subsistência, sendo necessário um abastecimento fiável de água 24 horas por dia para aumentar a produtividade e, por conseguinte, uma maior geração de rendimentos


Shine Water & Serviços LDA, continua a estar na vanguarda no fornecimento de uma solução fiável para os desafios relacionados com o abastecimento de água que a comunidade da FAO/Nhumbane enfrenta. "Dentro de um mês teremos um sistema de abastecimento de água totalmente solar instalado e mais clientes a aceder à água 24 horas por dia" Sr. Aly Mussagy- Gerente de Sheine Water, LDA


A clientela da empresa cresceu de 20 em Janeiro para 50 clientes actualmente, com um consumo médio de 500,00 meticais que corresponde a uma receita média mensal de 25.000,00 meticais. Espera-se que, nos próximos 6 meses, seja fornecida água a mais 50 casas.

Lei de electricidade

 

Em 2021, a taxa de acesso à electricidade rural foi estimada em cerca de 8%, contra 72% nas zonas urbanas de Moçambique. Enquanto que o país pretende alcançar o acesso universal à electricidade até 2030, o acesso à energia continua baixo, com disparidades rurais-urbanas significativas. Reconhecendo a necessidade de adaptar o quadro legal do sector à actual dinâmica social, técnica e financeira, bem como aos objectivos de desenvolvimento sustentável, a Assembleia da República, numa sessão plenária a 30 de Março de 2022, aprovou a entrada em vigor da nova Lei da Electricidade que resultou da revisão da Lei Lei n° 21/97, de 21 de Outubro.


A 11 de Julho de 2022, foi publicada a Lei n.º 12/2022 na sequência da sua promulgação pelo Presidente Filipe Nyusi. O objectivo desta lei é definir a organização geral do sector da energia eléctrica e o regime jurídico das actividades de fornecimento de energia eléctrica. Mais importante ainda, a nova lei centra-se na transição energética coerente com a realidade do país e o acesso universal a energia de qualidade, eficiente e fiável, aproveitando todas as fontes de energia, com ênfase nas fontes de energias renováveis e na redução do uso de fontes fósseis.


A legislação rege o funcionamento do sistema de energia eléctrica e as regras gerais aplicáveis às actividades de produção, transmissão, distribuição e venda, incluindo as importações e exportações, com vista a proporcionar a mais cidadãos o acesso à electricidade. A nova legislação abre espaço para o investimento privado na importação e exportação de electricidade, consumo de electricidade, e serviços energéticos.


O projecto Towards Sustainable Energy for All- Mozambique (TSE4ALLM) aplaude a ousada decisão do governo de promulgar e publicar a nova Lei da Electricidade como um passo decisivo para assegurar o acesso universal à electricidade até 2030. O projecto continua a apoiar a adopção baseada no mercado de sistemas integrados de energias renováveis, defendendo uma política conducente e um ambiente regulador que promova o envolvimento do sector privado no desenvolvimento de sistemas integrados de Energiais Renováveis nas zonas rurais de Moçambique.
Publicada a nova lei da electricidade de Moçambique